2018. Novembro 26.
Voltar

Visita de Budapeste com guia em português (lado Buda)

Neste programa incluí-se uma visita aos principais pontos de atracão turística e monumentos históricos. Sendo ao longo da visita, abordados os principais temas e acontecimentos da história da cidade e país. Proporcionando assim aos visitantes a aquisição de conhecimentos gerais sobre a história local e a apreciação dos principais monumentos e paisagens. Esta é uma visita acompanhada por guias profissionais.

 

A duração desta visita, é de meio dia, existindo sempre a possibilidade de a alargar, se for essa a vontade dos visitantes ou existindo algum interesse em particular em algum ponto da cidade ou monumento.

 

Durante a visita atravessaremos sobre o rio Danúbio pela Ponte das Correntes, e na continuação conheceremos o funicular. Subimos ao Bairro do Castelo de Buda de Budapeste, tombado pelo Património Mundial da Humanidade, pelo seu significado cultural e histórico. 

 

O primeiro castelo foi construído na colina por volta dos anos 1200, como proteção aos ataques mongóis. Ao longo dos séculos, vários outros castelos foram erguidos para servirem de residências ou fortalezas dos governantes, entretanto foram sucessivamente destruídos por opressores, residentes ou durante os ataques da Segunda Guerra Mundial e da Revolução Húngara. A reconstrução ocorrida durante a segunda metade do século XX criou a atual estrutura de 300 metros do castelo. 

 

A Galeria Nacional da Hungria e o Museu de História de Budapeste ocupam alas do castelo. Depois de apreciar vários pontos turísticos através da vista panorâmica do Castelo de Buda, visite esses lugares, que cobram uma taxa de entrada, para apreciar os tesouros que possuem em seus interiores e passamos pela Fonte de Rey Matías.

 

Realizamos uma visita interior na Igreja de Matias (Mátyás-templom). A Igreja Católica Romana atual foi construída no fim dos anos 1200, mas foi transformada em uma mesquita nos anos 1500, quando a cidade foi ocupada pelos turcos. 

 

O arquiteto Frigyes Schulek restaurou o estilo barroco no fim dos anos 1800. Ele manteve alguns elementos góticos e adicionou telhas ao estilo diamante multi coloridas e gárgulas, criando uma aparência inconfundível no horizonte de Budapeste.

 

Na igreja têm um extraordinário órgão, o interior da igreja tem afrescos de folhas de ouro e janelas de vitral. Ela abriga o Museu Eclesiástico de Arte, que contém esculturas medievais em pedra, relíquias sagradas e cópias das jóias de coroação e da coroa real húngaras.

 

Outro elemento do projeto de Schulek é o Bastião dos Pescadores, nos arredores da igreja. Esse terraço branco cintilante tem sete torres que representam as sete tribos que povoavam a área de Budapeste em 896 com a estátua de bronze de 1906 de Estevão I da Hungria, que foi o primeiro rei da Hungria e um católico convicto. 

 

Continuamos até o chamado “Várkert Bazár”, protegido pela Patrimonio Mundial da UNESCO. O conjunto foi construido entre 1875-1883, conforme os planes do arquitecto húngaro Miklós Ybl. Originalmente foi um centro dedicado pelas actividades comerciais, mas em breve transformou-se como a cede das exposições e escolas. Durante a II. Guerra Mundial foi bombardeada, e a partir dos anos de 1961 funcionava como um centro cultural, dedicado pelos Jovens.

 

Finalmente o Parque foi fechado entre 1984 - 2014, por falta de condições. O parque posteriormente foi completamente restaurado, conforme os planes originais, e hoje esta considerado, como uma joya de arquitectura no centro da cidade. 

 

Conforme á duração do tour temos a oportunidade de descubrir  a Rua Principal, a Igreja de Santa Ana, a Ponte Margarida, a Ilha Margarida, e uma das termas mais famosas da cidade, “Gellért”.

 

A visita terminamos na Citadella, na fortaleza que fica no topo de um platô conhecido como Colina Gellért, em homenagem ao missionário que trouxe o Cristianismo para essa região. Com 235 metros de altura, a Colina Gellért é um dos lugares mais altos de Budapeste. A fortaleza foi construída em 1854, como defesa durante a Monarquia de Habsburgo. Cerca de 100 anos depois, os russos a ocuparam durante a Revolução Húngara de 1956.  

 

A Estátua da Liberdade (Szabadság-szobor) ou Memorial da Liberdade ocupa uma posição de destaque na Colina Gellért, no centro de Budapeste, do lado oeste do Rio Danúbio. Vá até lá quando você visitar a Cidadela, a enorme fortaleza ocupada primeiro pelos Habsburgos e, posteriormente, pelos soviéticos. 

 

Após a Segunda Guerra Mundial, o povo da Hungria ficou agradecido pelo apoio dos soviéticos durante a guerra, ajudando-os a se libertar da ocupação da Alemanha nazista. Eles ergueram essa estátua para homenagear seus salvadores. A estátua de 14 metros é feita de bronze e fica sobre um pedestal que tem aproximadamente duas vezes o tamanho da estátua. A figura segura uma grande folha de palmeira suspensa. A inscrição original foi traduzida como: "À memória dos heróis soviéticos libertadores [erguida pelo] povo húngaro agradecido [em] 1945."

 

Em poucos anos, a libertação soviética foi considerada mais uma ocupação opressiva. Em outubro de 1956, um protesto de estudantes virou uma efetiva rebelião. Os soviéticos até atiraram nos cidadãos de Budapeste na Cidadela. Mais de 20.000 pessoas morreram antes disso e milhares durante as duas décadas seguintes em que os húngaros e soviéticos mantiveram o conflito. 

 

Finalmente, em 1988, a influência soviética diminuiu e os patriotas da Hungria recuperaram o controle da cidade e do país. Eles rapidamente trocaram a inscrição da estátua para refletir os acontecimentos mais recentes. Você pode perceber a diferença na inscrição atual, que pode ser traduzida desta forma: "À memória daqueles que sacrificaram suas vidas pela independência, liberdade e prosperidade da Hungria." (1989)

 

Junto com a Estátua da Liberdade, há duas outras estátuas no Memorial da Liberdade. Fique aos pés das três estátuas para imaginar a sensação dos cidadãos de Budapeste há várias gerações.  

 

 

 

 

Pedir orçamento