2016. Maio 12.
Voltar

Pannonhalma (UNESCO) e Gyõr

Gyõr, a cidade fundada pelos celtas, é a Cidade dos Encontros, já que foi construida na embocadura de 3 rios diferentes. A cidade barroca mais bonita do país tem no seu centro histórico edifícios de estilo ecléctico, como a Câmara Municipal, a Igreja Carmelita, o Palácio Episcopal, que é a residência do bispo da cidade, e a Sé construida no século XV. Depois visitamos a Abadia de Pannonhalma que faz parte do Património Mundial de UNESCO desde 1996. A biblioteca classicista da abadia é uma das bibliotecas maiores de todo o mundo com livros muito valiosos e raros. Também se pode visitar aqui o arboreto de Pannonhalma que foi feito para o Milénio. O preço do programa inclui as entradas e pode ser com ou sem almoço

.

 

Győr, em latim Arrabona, mais tarde Jaurinum, em alemão Raab, em eslovaco Ráb, Em turco Yanikkale, em servo Tep/Der. É a capital do distrito de Györ- Moson-Sopron, centro da região. Em 2012 registava uma população de 131.564 habitantes. Tornando-se assim, na sexta maior cidade do país e segunda da região, tendo à sua frente a cidade de Pécs.

Um centro muito importante, em termos, económicos, industrial, da igreja, de educação, da cultura e do desporto. Encontra-se no eixo novo entre Viena-Bratislava- Budapeste. O desenvolvimento é bastante rápido nesta cidade. No que diz respeito a património e monumentos históricos, esta, é a terceira cidade do país. Pela reconstrução da praça principal da cidade, em estilo barroco, ganhou o prémio Europa. A cidade situa-se na parte Leste da região de Kisalföld, onde se encontram três rios, Mosoni-Duna, Rába, Rábca. Por isso se denomina também pela cidade dos rios. Seguindo o rio Danúbio, já os romanos terão construido uma estrada, para ligar Aquincum (Óbuda) e Vindabonavel (Viena).

Esta estrada encontrava-se na margem direita do rio Danúbio, nos terraços, em direção à planície alto do Pandorf, seguindo depois para Viena. Neste percurso, os dois rios, o Rába e o Rábca. encontraram obstáculos que foram vencidos. Assim nasceu um nó de transportes. As estradas conduziam para a direção de Viena, Budapeste, Sopron, Pápa, Veszprém, Székesfehérvár.

O desenvolvimento de Györ tomou um novo rumo no século XIX. Iniciaram-se grandes obras, estas mudaram a cara da cidade. O negócio dos cereais estava a morrer, a mão de obra barata livre deste ramo foi trabalhar para as fábricas nascidas com investidores estrangeiros. A 1º Guerra Mundial chegou também a esta região. O antigo distrito Győr e uma pequena parte do distrito Moson e Pozsony uniram-se. Entre as duas guerras, Győr, desenvolveu-se tanto que se tornou, depois de Budapeste, na segunda maior cidade industrial.  Podemos agradecer em grande parte, este resultado ao programa do senhor Kálmán Darányi. No século XX a cidade desenvolveu-se como um grande centro de industria, como até hoje em dia se mantém.

Abadia dos Beneditinos de Pannonhalma (UNESCO)

Um lugar histórico do país, centro da igreja católica e de história de arte.

Situa-se no distrito Györ-Moson-Sopron, na cidade Pannonhalma. No mapa turístico da Hungria este local é um dos mais procurados pelos turistas. Por isso a localidade encontra-se preparada para receber os seus visitantes. A maior atração é a Abadia milenária. Um monumento arquitetônico, tem várias exposições. Quando se fala sobre Pannonhalma, imediatamente, e na maior parte das vezes o que vem ao pensamento é a Abbadia dos Beneditinos.

 

A conjuntura de prédios situa-se no topo da montanha de São Martinho- Miskovits. A igreja de baixo e o claustro foi construida em estilo romano. Durante vários séculos foi alargada em estilo gótico, barroco e classicismo. Todos este estilos determinam a imagem que a Abadia possui hoje. A sua biblioteca possui 400 mil livros e a sua sala foi construida no século XIX.

 

Pedir orçamento