2020. Julho 10.
Voltar

Bairro Judeu de Budapeste em português

Durante esta visita guiada em português, descobrimos o Bairro Judeu de Budapeste. Visitaremos a maior Sinagoga de Europa, o Memorial Sapatos ás Margens do Danubio e descobrimos os Bares de Ruinas. Com a ajuda da guia de Budapeste em 3 - 4 horas vamos a conhecer varios monumentos e historias interessantes sobre esta parte da cidade.

A Sinagoga de Budapeste, Grande Sinagoga de Budapeste ou Sinagoga da Rua Dohány (em húngaro: Dohány utcai zsinagóga, é um edifício religioso situado na rua Dohány (que em húngaro Dohány utca significa "rua do tabaco"), em Budapeste. Foi construído em meados do século XIX, entre os anos 1854-1859, e projetado em um estilo romântico, combinando elementos neomouriscos e neobizantinos, pelos arquitetos Lajos Förster e Frigyes Feszl. A sinagoga tem-se como a maior e mais monumental da Europa, conseguindo acolher mais de três mil pessoas no seu interior, e é onde não apenas judeus de Budapeste, mas de todo o mundo se reúnem regularmente. Para além disso, a sinagoga constitui um marco histórico e monumental na cidade de Budapeste.

Tem nove naves abobadadas decoradas com tijolos coloridos, azulejos e arabescos muito interessantes, e duas torres brilhantes, com cúpulas negras e douradas, que a tornam num edifício único no seu estilo. Todas as torres incorporam quatro relógios oitocentistas.No interior impera um estilo que antecipa a art déco misturada com um neobarroco, invulgar na época construção do edifício. Muitos candeeiros e um grande lustre coroam os tetos e as paredes estão adornadas com imponentes arcos recheados de detalhes minuciosos, típicos dos séculos precedentes. O altar, brilhantemente planeado é construído em madeira entre outros materiais e o centro é coberto pela célebre talha dourada. A coroar o altar magnânimo, uma pequena cúpula branca, decorada com arabescos dourados, que esconde um órgão. Durante a Segunda Grande Guerra a Grande Sinagoga de Budapeste sofreu graves danos e esteve mesmo em riscos de ser derrubada pelas tropas nazis, mas foi recuperada e hoje jaz, imponente, no lado a lado com jardins, numa das ruas mais movimentadas da cidade. Atrás do edifício ergue-se o Monumento aos Mártires Judeus da Hungria.

Iremos visitar a praça memorial de Raul Wallenberg com a "Árvore da Vida", o lugar comemorativo das 600.000 vítimas del Holocausto em Hungría. Situada em um pátio, detrás da sinagoga, é uma escultura de um belo salgueiro chorão realizada em tamanho real. Sua importância é enorme, pois foi feita em memória dos 600.000 húngaros judeus que morreram durante a II Guerra Mundial. Nas folhas do salgueiro estão escritos os nomes daqueles que contribuíram para salvar a vida de outros judeus nessa época. O monumento foi realizado em 1991 e um dado curioso é que o ator Tony Curtis foi seu principal mecenas. Curtis, cujo verdadeiro nome era Bernard Schwartz, era filho de um casal húngaro desta fé, Emanuel Schwartz e Helen Klein. O ator criou a Fundação Emanuel, destinada a restaurar e preservar sinagogas como esta de Budapeste e mais de 1.300 cemitérios judeus na Hungria. À continuação, passamos pela Sinagoga da rua Kazinczy.

O bairro Judeu também esta conhecido como o lugar dos bares e pubs em ruínas que estão espalhados pelos prédios e teremos que já estiveram vazios no Bairro Judeu. Destacamos o Kuplung (no número 46 da Rua Király). Detonados por fora — muitas vezes o visitante nem acredita que há toda aquela movimentação do lado de dentro —, esses bares situados em Peste começaram a ser inaugurados na capital da Hungria no início dos anos 2000, em prédios quase caindo aos pedaços. Na mesma rua, restaurantes, bares e pubs mais convencionais (e não menos concorridos) dividem democraticamente o espaço com esses estabelecimentos mais alternativos. Ali perto, numa distância que pode ser feita a pé, no número 11 da Rua Kazinczy, está o Szimpla Kert. Dizem os locais que aquele foi um dos primeiros bares em ruínas da cidade. Os mais desatentos correm o risco de passar direto. A fachada é bem discreta (com aquela aparência de prédio antigo). E há apenas uma placa pequena com o nome do lugar.

O passeio terminamos onde  Memorial  “Sapatos às Margens do Danúbio” Lugar conmemorativo, dedicado pelas vitimas do Holocausto Húngaro, instalados em 2005, baseado na idea de Can Togay e o escultor Gyula Pauer. O passeio pode ser completado com a visita interior do Parlamento também.

 

 

 

Pedir orçamento